Há algum tempo venho deixando de ler os quadrinhos da DC. Li a série “Os sete soldados da vitória”, de Grant Morrison, e ainda acompanho “Justiça” e “52”, mas, terminadas essas séries, deixo de lado Batman, Mulher Maravilha, Superman e o resto. Sentirei saudades apenas da Sociedade da Justiça, que tem histórias muito interessantes. Chega de crises! Chega de falsas revoluções! Chega de reformulações vazias! Gastarei o meu suado dinheirinho nas revistas da Marvel, em especial Marvel Max e Marvel Action, que são boas demais.

Há tempos a Marvel vem dando um olé na DC e é mais do que merecido. Seus personagens estão melhor desenvolvidos e, o que é melhor, a Marvel não subestima os seus leitores. Nem tudo é perfeito, lógico! Mas as mudanças que a Casa das Idéias vem implantando são ousadas e desafiam o marvelmaníaco de um modo inédito. A DC, por exemplo, não mexe na tríade Batman/Superman/Mulher Maravilha. Já no universo Marvel, ninguém está a salvo.

O Capitão América “morreu”. O Hulk foi exilado em outro planeta, lutou como gladiador, casou, perdeu tudo e voltou à Terra, louco por vingança. Thor desapareceu, literalmente deixou de existir. O Homem de Ferro se tornou uma espécie de ditador. O Quarteto Fantástico foi esfacelado e seus membros agora não concordam entre si. O Homem Aranha revelou a sua identidade secreta e se deu muito mal. Charles Xavier “sumiu”. Namor se tornou uma incógnita: aliado ou ameaça? O Justiceiro, nas mãos de Garth Ennis, está cada vez mais violento. O Demolidor passou uma temporada na cadeia. E os heróis agora estão divididos após a Guerra Civil.

Enfim, a Marvel investiu sem medo contra os seus heróis. O que vemos é um universo fraturado e à beira de um caos irreversível, no qual os heróis não são a solução, mas a fonte de verdadeiras e profundas crises. Além do universo Marvel normal, há ainda o universo Millenium, o do Poder Supremo e os zumbis Marvel, entre outras ousadias.

É interessante observar que todos os eventos Marvel formam uma linha de ação: não há reformulações, ou recomeços. Cada evento deixa um rastro de conseqüências que estão se acumulando e, decerto, em algum momento, hão de explodir, formando assim uma saga de gigantescas proporções no mundo dos quadrinhos. Observemos os eventos:

– Guerra Secreta: Nick Fury reúne diversos heróis para uma missão que acaba muito mal. Saldo: Nick Fury some e é substituído na SHIELD por um MVA.

– Homem de Ferro Extremis: Tony Stark, para vencer um poderoso inimigo, aceita ser cobaia de um experimento chamado Extremis. Por conta disso, ele se torna extremamente poderoso. Mas não se sabe exatamente o que o experimento pode fazer em sua cabeça…

– Os Vingadores – A Queda: a Feiticeira Escarlate enlouquece e cria uma série de fatos que levam os Vingadores à destruição. Há mortes. O próprio Gavião Arqueiro perece em ação. Ao ser controlada, a Feiticeira é capturada por Magneto, seu pai. Na tentativa de impedir que ela volte a manifestar seus imensos poderes, vários heróis vão atrás dela, de Magneto e Mercúrio.

– A Dinastia M: ao ser atacada, a Feiticeira altera a realidade. O mundo ressurge e a história foi alterada de tal forma, que os mutantes dominam todos os governos. Uma garota, porém, parece lembrar de tudo o que havia e vai gradativamente fazendo com que os heróis relembrem quem são. Na luta para trazer de volta a realidade, a Feiticeira decreta a extinção dos mutantes. Apenas alguns poucos mantém os seus poderes.

– Aniquilação: enquanto isso, no espaço, vários heróis e vilões se unem para enfrentar a ameaça do Aniquilador. A Tropa Nova é extinta. Somente Richard Rider sobrevive muito mais poderoso que antes. Galactus é capturado. O Superskrull e Ronan, o Acusador, se unem. Drax mata Thanos e desaparece. Saldo: o Surfista Prateado volta a ser arauto de Galactus.

– Guerra Civil: após uma ação desastrada dos Novos Guerreiros, que culmina com mortes e a destruição de uma cidade, alguns cidadãos exigem o registro dos super-heróis. Tony Stark apóia a iniciativa, pois entende que, se o registro não acontecer, o governo pode perseguir os heróis. Em defesa da liberdade, o Capitão América se opõe à lei de registro. Os heróis se dividem e a guerra é deflagrada. Tony Stark vence, pois o Capitão América se entrega. E mais tarde é assassinado. Surgem dois grupos de Vingadores: os favoráveis ao registro, chefiados pela Miss Marvel, e os contrários, chefiados por Luke Cage.

– Planeta Hulk: no decorrer da Guerra Civil, Hulk foi enviado pelos Iluminati a um planeta desabitado, mas algo acontece e Hulk vai parar em um planeta hostil.  Escravizado, Hulk reúne um grupo e liberta o planeta do jugo do Rei Vermelho. Torna-se rei, se casa, recebe a notícia de que vai ter um filho. Porém a nave que o trouxe explode e o planeta é arrasado. Com alguns companheiros, Hulk volta à Terra, sedento de vingança. Seu alvo: os Iluminati (Tony Stark, Reed Richards, Raio Negro e Doutor Estranho).

– Hulk contra o mundo: conseqüência direta da saga Planeta Hulk.

Nos Estados Unidos, já está ocorrendo a saga “Secret Invasion”, que, ao que tudo indica, vai deixar claro o quanto os eventos acima estão ligados. Ou seja, nada aconteceu por acaso. E que tais fatos ainda são conseqüências da Guerra Kree-Skrull…

Enfim, a Marvel ousou e criou algo maior e lógico. E seus vários autores (Brian Michael Bendis, Ed Brubaker, J. Michael Straczinsky etc) estão criando, sob a batuta de Joe Quesada, algo de primeira qualidade.

Por isso continuo gastando os meus merréis na Marvel… Porque quero saber o que o futuro reserva aos meus heróis favoritos…